Cerveja Caseira for Dummies: Charles Henrique e Guilherme – Beercast #221

Por | 9 de agosto de 2017
Cerveja Caseira for Dummies: Charles Henrique e Guilherme – Beercast #221

Cerveja Caseira for Dummies: Charles Henrique e Guilherme – Beercast #221

Charles Herique (vulgo Charlota) e Guilherme (vulgo Buteco do Ferreira) vieram contar as experiências sobre a fabricação de cervejas artesanais para os eventos do Buteco.

Confira como foi esse bate-papo.

Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Ramones – Blitzkrieg Bop
  • Ramones – Censorshit
  • Ramones – Beat on the Brat
  • Ramones – The Job That Ate My Brain
  • Ramones – Judy Is a Punk
  • Ramones – Poison Hearth
  • Ramones – Anxiety
  • Ramones – I Wanna Be Your Boyfriend
  • Ramones – Chain Saw
  • Ramones – Strength to Endure
  • Ramones – It’s Gonna Be Alright
  • Ramones – Now I Wanna Sniff Some Glue
  • Ramones – I Don’t Wanna Go Down to the Basement
  • Ramones – Take It As Comes
  • Ramones – Loudmouth
  • Ramones – Main Man
  • Ramones – Havana Affair
  • Ramones – Tomorrow She Goes Away
  • Ramones – I Won’t Let it Happen
  • Ramones – Cabbies on Crack
  • Ramones – Let’s Dance
  • Ramones – Touring

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (49:59 de duração)

11 comentários para “Cerveja Caseira for Dummies: Charles Henrique e Guilherme – Beercast #221

  1. Haifang Nehls

    Boa tarde.

    Aqui em SC tem se difundido bastante um “estilo” de cerveja, que é o Catharina Sour. É basicamente uma berliner weiss um pouco mais alcoólica e sempre com adição de frutas e de preferencia frutas da região.
    Esse tipo de cerveja utiliza esse processo de Kettle Sour (por isso estou falando dela), porém recomenda-se utilizar uma cultura de Lactobacilos ao invés de utilizar os grãos de malte como fonte de Lactos.
    Daqui a um ou dois meses irei tentar reproduzir essa receita, juntamente com alguns colegas. Acredito que será um desafio divertido.

    Coloquei estilo entre aspas, pois esse assunto já deu muita treta por aqui. Tem gente que diz q é um estilo novo, tem gente que diz q não é, tem gente que diz q é muita pretensão, e tem gente que só quer tomar cerveja boa… hehe

    Grande abraço, e se tiverem a oportunidade, esperimentem alguma Catharina 😉

    Responder
    1. Daniel Córdova

      Inscrevi uma Catharina Sour no Catarinense da Acerva que vai rolar agora. Usei manga, vamos ver no que dá.

      Sobre ser ou não um estilo, é assim que os estilos começam, né? Uma galera começa fazendo uma coisa levemente diferente, existe um outro pessoal que reage e não aceita, até que no fim alguém mete no BJCP e não se fala mais nisso =P
      (Gordon Strong vai estar por aqui e vai tomar bastante Catharina Sour…)

      Responder
    2. Ricardo Shimoishi

      Boa Haifang!

      Eu estou no grupo dos q só querem beber.
      Novas experiências com cervejas são sempre bem-vindas. Principalmente se os resultados têm sido bons.
      Depois que vc brassar, nos dê um feedback.
      Quem sabe seja vc a nós trazer a experiência de beber uma Catharina?!

      Abração!

      Responder
  2. Daniel Córdova

    Fala galera!
    Aí sim, um cervejeiro caseiro que se importa com as coisas, esses vale a pena escutar =)
    Kettle sour é um negócio meio delicado mesmo. Eu fiz 2 até agora e nos dois passei trabalho. Espero que nos próximos seja mais tranquilo.
    No meu primeiro fiz com um saco de malte, igual o Charlão, mas demorou uns 3 dias pra acidificar.
    No segundo usei Yakult e também levou 3 dias, mas aí descobri um erro no meu processo e os próximos devem levar no máximo 2.
    Uma dica, além da cama de CO2, é pré-acidificar o mosto para um pH na região de 4.0-4.5, para evitar a proliferação de outras bactérias que gerarão off-flavours.
    E pra não ter que dormir do lado da panela igual ele fez, aconselho a comprar um aquecedor de aquário, desses de imersão. Eu já comprei mas ainda não usei, mas parece que é só largar ele lá dentro que ele mesmo já tem um controlador de temperatura embutido.
    E só tenho uma coisa a dizer pra quem não gosta de melancia: vocês estão errados.
    valeu!

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Aí sim!
      Dicas de alto nível.
      De tão a sério q vcs levam o hobby, vcs são quase profissionais.
      Um dia vamos fazer um encontro dos cervejeiros ouvintes do Beercast pra que A GENTE possa ouvir vcs. E não o contrário!

      Abração!

      Responder
  3. Fabrizio Guzzon

    Salve galera!
    Bom programa com o Charles e com o Guilherme, acho muito interessante como podemos ter opiniões tão divergentes sobre um mesmo tema… de um lado o mestre Jaime e do outro Charlão.

    E as cervejas que da Juan Caloto que o Charles citou são bem interessante, já provei e achei bem gostosas.

    Mas oque esta faltando é esse pessoal que faz cerveja em Jundiai começar a abastecer os bares do interior… rsrsrs

    Abç
    Guzzon

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      hehe…
      É como dissemos: apesar da diferença de visão, nenhum dos dois está errado.
      O importante é saber em que fase do home brew vc está para ajustar expectativas e equipamentos.
      Tb queria beber mais as cervejas do Charlão e Cia.
      São muito boas.

      Abração!!

      Responder
  4. Flavio Yokooji

    Aprendi demais nesse episódio! Estava ensaiando para fazer minha primeira sour e agora estou mais animado com as dicas.

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Show, Flávio.
      Essa Berliner que o Charlão fez valeu cada minuto que ele ficou acordado pra ela sair… rsrs..
      Como eu sei q vc tb é meio psicopata no controle do processo, tenho certeza de que fará boas cervejas.

      Boa Sorte!

      Abração.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*