Cerveja Brooklyn Local 02 – Beercast #218

Por | 19 de julho de 2017
Cerveja Brooklyn Local 02 – Beercast #218

Cerveja Brooklyn Local 02 – Beercast #218

Para o episódio de hoje, Rica Shimoishi trouxe a cerveja Brooklyn Local 02 para a mesa do Beercast.

Confira como foi esse bate-papo.

Cerveja Brooklyn Local 2

Cervejaria: Brooklyn Brewery
Estilo: Belgian Dark Strong Ale
Álcool (%): 9% ABV
Temperatura: 8-12 °C
Copo Ideal: Cálice

Confira a nota dos Beerquesteiros para a Cerveja do episódio:

Links Comentados durante o episódio:

BeerGifts

Download

Trilha Sonora

  • Bee Gees – Stayin’ Alive
  • Bee Gees – Wind Of Change
  • Bee Gees – Nights On Broadway
  • Bee Gees – Night Fever
  • Bee Gees – Love So Right
  • Bee Gees – Love Me
  • Bee Gees – How Deep Is Your Love
  • Bee Gees – Fanny (Be Tender With My Love)
  • Michael Jackson – Thriller
  • Michael Jackson – Billie Jean

Acompanhe e entre em contato com o Beercast:

Clique no play no inicio da página e escute nosso episódio. (38:41 de duração)
Avalie abaixo quantas tampinhas esta cerveja merece.

16 comentários para “Cerveja Brooklyn Local 02 – Beercast #218

  1. Andre F

    Fala pessoal.

    Muito bom o programa pra variar e ótima cerveja.

    A minha deixei envelhecer por 3 anos antes de tomar. Estava fantástica. Gosto muito de envelhecer cervejas e ver as diferenças entre uma mais fresca e a mesma envelhecida.

    Tô inclusive com 3 anos de Chimay blue já (2014, 2015 e 2016), pretendendo chegar com 5 anos e fazer uma degustação vertical para sentir a diferença. Nunca tive essa oportunidade e pelo que li a Chimay blue é uma ótima cerveja para fazer isso. Além de tudo é relativamente fácil de encontrar por aqui.

    Mês passado peguei uma Old Stock Ale 2016 da North Coast que tem validade, na etiqueta, até julho de 2032. Certamente tomarei antes disso.

    Aproveito aqui pra agradecer ao grande Daniel Córdova pelas colunas de viagem, ajudaram muito! Vou comentar em cada post pra deixar registrado o agradecimento e algumas outras informações.

    Abs

    Responder
  2. Fabrizio Guzzon

    Salve galera!

    Foi muito legal gravar o programa…. e descobri que gravar com o mestre Jaime é uma experiencia a parte…. rsrsrsrs
    O cara não para por um minuto… tem mais frase de efeito que cabelo branco.

    Abç
    Guzzon

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Hahaha…
      A primeira vista o Jaime assusta um pouco. Mas esse jeitão dele é pra esconder o enorme coração q bate naquele peito (ou não).
      De qualquer maneira é uma experiência muito divertida.

      Abração!

      Responder
  3. Daniel Córdova

    Fala pessoal.
    Cervejas de guarda são um tema que me interessam muito. Confesso que não estudei nada a respeito, mas tenho uma seleção de cervejas que deixo em locais que não pegam sol e de pouca variação de temperatura.
    É importante verificar antes de deixar envelhecer se a cerveja é pasteurizada ou não. Eu tinha uma Duchesse guardada por algum tempo e só alguns dias antes de abrir que descobri que ela é pasteurizada. A cerveja estava muito boa, mas é meio arriscado.
    Abraço!

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Aê, Daniel.
      Complexo isso de cerveja de guarda, né?
      Essa questão da pasteurização tb me pegou um pouco de surpresa. A gente sabe (meio intuitivamente) que as pasteurizadas não devem envelhecer tão bem. Mas quando a gente tem um ótima cerveja que desejamos guardar nem sempre pensamos sobre essa questão.
      Aliás ACHO q a minha Ithaca tb é pasteurizada.
      Não vou demorar muito pra abrir.

      Abração!!

      Responder
  4. Haifang

    Muito bom o episódio.

    Ja tomei varias cervejas vencidas, e a experiencia normalmente é essa mesmo. Os lupulos somem, e o malte aparece mais… A sensação geral é de mais complexidade e dulçor, com menor frescor.
    Inclusive tenho muitas preciosidades guardadas pra tomar em momentos especiais. A maioria vencida, e outras q dificilmente chegarao a vencer (25 anos de validade).
    Tenho uma Wee Heavy q eu mesmo fiz 3 anos atras, a ultima vez q abri uma ela tinha aroma de frutas vermelhas. Fantastica. Apesar de nao ter data estipulada, acredito que se fosse uma comercial ja teria passado..
    Quanto à Brooklin Monster, eu tenho uma ainda que foi comprada em 2014. 🙂
    grande abraço a todos.

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Fala Haifang!
      Legal que vc tenha comprovado de fato que os estudos de fato estão pelo caminho certo. Mas aquela “amaciada” que todos comentamos, pra mim, nem sempre faz a cerveja melhor do que a fresca.
      25 anos de validade é tempo pra caramba, heim? Que cerveja que é?
      E Wee Heavy com frutas vermelhas deve ser ótimo!!
      Vc tem uma Monster?? Puxa! Que inveja! Já tava vencendo quando vc comprou, né? Nessa época ela não era mais fabricada, né?

      Abração!!

      Responder
      1. Haifang Nehls

        Essa de 25 anos é uma De Molen Hel & Verdoemnis e uma outra De Molen Hemel & Arde, Imperial Stout. Está comigo já há 3 anos

        A Monster eu havia tomado em um bar aqui em Joinville, logo após encerrarem a produção. achei fantastica. Um tempo depois em uma viagem ao RJ encontrei uma unica garrafa no Delirium… arrematei na hora, mas ainda nao tive coragem de abrir. Por saber que é a “ultima da sua especie” me aperta o coração consumir ela.

        Concordo com vc, nem toda cerveja se beneficia do envelhecimento. Eu procuro deixar guardadas: Imperial Stout, Belgian Dark Ale, Lambics, etc..

        Grande abraço. E novamente, parabens pelo programa! bem rico de informações

        Responder
        1. Ricardo Shimoishi

          Caramba! Nem sabia que as De Molen tinham essa prazo de validade quase infinito…kkk
          A Monster é muito boa! Sorte sua. Eu tb teria dó de abrir a garrafa.
          E sim: É preciso escolher bem as cervejas pra guardar.
          Valeu Haifang! Abração!!

          Responder
  5. Flávio Yokooji

    Ótimo episódio. Estava pensando em brassada uma Belgian Dark Strong Ale e nessa semana vários veículos cervejeiros comentaram sobre o estilo.

    Responder
    1. Ricardo Shimoishi

      Fala Flávio,

      Sabedor das suas qualidades como “construtor” de boas cervejas e considerando o que comentamos no episódio (Dificuldade em fazer boas belgas no Brasil), eu me ofereço pra experimentar um Dark Strong de sua autoria…
      hahaha…
      Brincadeira. Mas verdade!

      Abração!!

      Responder
        1. Ricardo Shimoishi

          hehehe…
          Valeu Afonso.
          Mas de vez em quando acontece sim. Às vezes tem tanta coisa pra expor que nem deixo os outros integrantes da mesa falar. Mas acho q esse episódio deu pra dosar a participação da galera.

          Abração!

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*